Quem Somos   Formação   Seminários Clínicos   Serviços   Investigação   Protocolos   Biblioteca   Links   Contactos



Imprimir enviar    

História das Picoterapias Breves

As Psicoterapias Breves “são Psicoterapias de inspiração Psicanalítica de duração limitada. Os meios utilizados para limitar essa duração variam conforme os autores” (Gillierón, E.1983). A preocupação com a duração da análise foi sentida por diversos autores como Freud, S. e Rank, O., e muitos outros. Nos Estados Unidos da América por exemplo, deveremos salientar as obras de Alexander, F. e de Bellak, L., tendo o primeiro contribuido com o “significativo conceito de experiência emocional correctiva Como deveremos evocar, “é mais importante o reviver emocional dos traumas antigos na relação com o Terapeuta, do que a rememoração dos factos ocorridos na infância” (Lau Ribeiro, P. 1997, pp. 8). A questão associada à duração da análise foi também amplamente abordada na Europa, e aqui poderíamos largarmente expor os contributos de autores como Ferenczi, S. e Balint, M..

Mas até aos anos sessenta, a Psicoterapia Breve foi conceptualizada como uma intervenção de curta duração, com objectivos menos profundos, um “setting” de face a face, aplicando os conceitos da Psicanálise e deveremos referir como uma Psicanálise Aplicada.

Numa segunda fase e a partir dos anos sessenta, a Psicoterapia Breve, adquire sobretudo com os trabalhos de Sífneos, P., de Mann, J. e de Balint, M. uma maior “cientificidade” e a partir dos anos setenta a Psicoterapia Breve adquire definitivamente com Davanloo, H. um elevado grau de axiomatização interna em desenvolvimentos teórico-metodológicos ascendentes.

Na Europa as analogias com a Psicologia do Self, sobretudo a partir dos trabalhos de Kohut, H. e os pressupostos do Movimento Potencial Humano foram também marcas importantes no desenvolvimento deste Modelo. No Reino Unido a Psicoterapia Breve foi implementada por Malan, D., discípulo de Balint, M. e autor do Manual “As Fronteiras da Psicoterapia Breve” e da obra “Psicoterapia Individual – Ciência da Psicodinâmica” que muito contribuiu para a investigação e o desenvolvimento deste modelo de intervenção.

Como a generalidade das intervenções psicoterapêuticas desta época a Psicoterapia Breve está também associada a outros movimentos dissidentes da Psicanálise, como a Psicologia Junguiana, as Teorias da Relação de Objecto, a Gestalterapia, a abordagem Dialógica e as Teorias Fenomenológico-Existenciais.

Na actualidade, o Modelo Integrado de Psicoterapias Breves preconizado pela Sociedade Portuguesa de Psicoterapias Breves, fundamenta-se nas perspectivas de Paul Ricoeur, como metateoria na prática de um modelo integrado de psicoterapia, porquanto capaz de integrar a perspectiva psicanalítica, como modelo teórico explicativo ou chave hermenêutica, à perspectiva Fenomenológico Existencial, como horizonte, como método, e na procura ou na explanação de um vivido como “domínio” da compreensão de si e nos estudos ou reflexões filosóficas que abordam dimensões como o Homem Capaz, mas falível, a culpa, a “ipséidade” e a “mesmidade” ou o Voluntário e o Involuntário.